sexta-feira, outubro 31, 2008

Brasil: Raízes do Atraso

Autor: Fabio Giambiagi Paternalismo versus produtividade As dez vacas sagradas que acorrentam o país

Neste livro, o economistas Fabio Giambiagi, um dos expurgados do IPEA, faz uma análise das razões para o baixo crescimento brasileiro e os motivos para nossa estagnação. O diagnóstico é uma luz para os que procuram entender o que acontece que impede o país de realizar o grande salto para o primeiro mundo. Mais do que isso, descobrimos que somos os culpados da nossa própria mediocridade.

Primeiro o autor faz uma apresentação dos principais fatores econômicos que influenciam em um processo de desenvolvimento. Discorre sobre taxa de juros, produtividade, investimento e outros. Fala também da Argentina e porque o modelo daquele país não serve para o Brasil. Na época que o livro foi publicado algumas pessoas viam virtude no calote argentino e na condução econômica fortemente estatizante.

Depois apresentam o que seriam as 10 vacas sagradas que acorrentam o Brasil:

  1. O salário mínimo que não é mínimo
  2. A previdência social imprevidente
  3. o assistencialismo exacerbado
  4. os direitos dos incluídos
  5. a vinculação preguiçosa
  6. a TJLP esquizofrênia
  7. as transferências temporárias infinitas
  8. a taxação do capital
  9. o protecionismo
  10. o viés anticapitalismo

Tudo que um militante do PSOL não gosta de ouvir nem falar. Giambiagi defende um novo choque de capitalismo no Brasil, mais do que isso, que o Brasil afirme sua opção pelo capitalismo.

Nos dois últimos capítulos, ele projeta cenários onde algumas medidas seriam adotadas, de maneira lenta e gradativa, para superar nossos óbices. Ao longo do livro sempre fica o alerta: não é uma questão de opção. O modelo atual é insustentável e o dia do ajuste de contas chegará mais cedo ou mais tarde.

Mais do que isso, Giabiagi fala da liderança, para ele essencial para convencer o país a tomar medidas antipáticas mas necessárias. Esta liderança deverá ter energia e convicção. Deverá estar convencida da necessidade destas medidas e não medir esforços para implantá-las. Cita como exemplos recentes no Brasil as figuras de Fernando Collor (que heresia!) na questão da abertura de mercado e a de Fernando Henrique Cardoso no combate à inflação. Fica claro porque ele foi expulso do IPEA, não é mesmo?

Um livro para quem quer se livrar das prisões mentais que a esquerda construiu nas últimas décadas ao assumir o domínio da cultura no país. Um dos livros que se converte em caso de necessidade pública.

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bom material.